Competir em duas categorias é algo recorrente em eventos de surf. Os atletas buscam vencer competidores da sua faixa etária e já projetam o futuro ao enfrentar os mais velhos, com o intuito de evoluir e atingir um nível técnico mais forte. Entretanto, conseguir um destaque em duas disputas simultâneas é algo bem difícil, e exige elevado grau técnico, preparo físico, além de disposição e foco.

Foto: Divulgação/ Munir El Hage

O Hang Loose Surf Attack é uma excelente oportunidade para os meninos tentarem “dobrar” suas performances, contudo, o alto nível de competividade exige o máximo do surfista. O tradicional circuito é considerado o mais forte do país nas categorias de base, tanto que revelou grandes nomes, como dos campeões mundiais Gabriel Medina e Adriano de Souza, além do atual líder do ranking da WSL, Filipe Toledo. Todos eles são exemplos de atletas que ‘brigaram’ por mais de um título na mesma temporada.

Neste ano, já tivemos exemplos de atletas “multi categorias”. No primeiro evento do calendário, em Ubatuba, quatro surfistas chegaram muito bem em duas finais: Diego Aguiar e Ryan Kainalo, de Ubatuba; Caio Costa, de São Sebastião, e Eduardo Motta, de Guarujá. Todos eles já conquistaram títulos paulistas.

Didi faturou a sub18 e foi o terceiro na sub16; Ryan levou na sub12, abrindo caminho para o seu segundo bicampeonato e foi o segundo na sub14; Caio, por sua vez, venceu a sub14 e garantiu o vice na sub16; enquanto que Eduardo foi o segundo na sub18 e o quarto na sub16.

A próxima etapa do ranking acontecerá de 27 a 29, na Praia de Maresias, em São Sebastião. Os quatro atletas garantem que esperam repetir e até melhorar suas apresentações. “A expectativa é garantir novas finais, ainda mais em casa, onde treino sempre. O Hang Loose não é fácil, tem sempre muita gente boa, mas a gente se prepara para chegar nos objetivos”, diz Caio Costa, também conhecido como Caveirinha, atleta do Instituto Gabriel Medina, com treinos diários em Maresias.

“O objetivo é sempre ir bem. Vou buscar o melhor resultado nas duas novamente”, confirma Ryan Kainalo, que já foi bicampeão sub10 e é o atual campeão sub12. Filho do experiente surfista Alex Miranda, ele nasceu em São Paulo e até o ano passado, dividia seu tempo entre a capital e Ubatuba e agora passou a morar no litoral norte, junto com a avó, para se dedicar ainda mais ao surf.

O Hang Loose Surf Attack 2018 também têm as categorias sub10, além da novidade deste ano, a feminina sub16, o que amplia ainda mais a atuação do campeonato na revelação dos novos valores do esporte. O cearense radicado no Rio de Janeiro, Cauã Costa foi o vencedor da etapa de abertura na categoria sub16, superando três dos quatro destaques da competição – Diego, Caio e Eduardo.

No campeonato é comum a participação de atletas de outros estados e Cauã, inclusive, foi campeão geral sub14 em 2017. Entre os caçulas, a vitória em Ubatuba foi de outro surfista vindo de fora, o paranaense Anuar Chiah. Já na feminina, o primeiro lugar ficou com Sophia Medina, a irmã mais nova do campeão mundial Gabriel Medina.

Por Redação InnerSport

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.