Se a volta do Oi Hang Loose Pro Contest 2019 promete agitar o início de temporada nas ondas tubulares de Fernando de Noronha, fora do mar o alto nível técnico também está garantido. Ídolo do surf brasileiro, Fábio Gouveia será o diretor de prova do evento, nas ondas da Cacimba do Padre, entre os próximos dias 19 a 24. Um cargo técnico, geralmente exercido por um especialista.

Nesse quesito, Fabinho tem total confiança de todos. Conhece como poucos as ondas e picos de Noronha e tem total identidade com o evento e com a marca. Aliás, foi o próprio diretor-executivo da Hang Loose que escolheu o atleta para essa função. “Fiquei amarradão de receber essa incumbência. Existe seriedade. Durante muitos anos competi como profissional e, principalmente, competi nos Hang Loose e sei o que um surfista sente ali e como se comporta na maior parte do tempo. Não acho que será coisa do outro mundo”, destaca Fabinho Gouveia.

Posição tradicional nos eventos, o diretor técnico é quem olha pelo aspecto do surf. É o responsável por decisões de cunho técnico, como ver as previsões para as chamadas para as disputas, colaborar com o tour manager da World Surf League (WSL) para montar o cronograma e também intervir junto aos competidores, em qualquer assunto que envolva o campeonato. “Ele é o maestro do evento, vai ter a responsabilidade de reger a nossa orquestra”, resume bem o Tour Manager da WSL South America, Roberto Perdigão.

Com mais de 30 anos de vivência no Circuito Mundial, Perdigão elogia a escolha. “O Know-how do Fabinho é importantíssimo para agregar esse valor em termos de conduzir o campeonato nas melhores ondas, melhores marés”, diz o dirigente, lembrando que o diretor atuará num conjunto com o próprio tour manager, o head judge do evento e o representante dos surfistas. “Sempre um fórum, olhando o contexto geral, atendendo ao interesse de todos”, esclarece.

“Ele tem de estar atento a tudo, sobretudo qualidade de ondas, para ter um padrão que os juízes possam qualificar com propriedade. O Fabinho tem muita experiência em Noronha e horas de voo naquelas ondas de sobra. Isso é o que vale”, reforça Perdigão. Quem também gostou da escolha foi o comissário da WSL no Circuito Mundial QS, o sul-africano Travis Logie: “Incrível. Fiquei amarradão”.

Fabinho se diz preparado para o novo cargo e se sente mais confiante por conhecer muito bem o palco das disputas. “O convite partiu do Álfio. Até então nunca me imaginei nessa função, mas o desafio foi dado e vamos lá nessa nova empreitada. Claro que já acompanhei os trabalhos de alguns amigos, mas para mim não é um bicho de sete cabeças”, admite.

“Estou me ambientando no que vou fazer, já conversando com uma galera. O próprio Álfio já me deu uns toques”, conta. “Existe sempre a preocupação de agradar todo mundo, mas estou consciente de que é difícil. Cacimba do Padre é um beach break, onde tem uma grande movimentação de areia, e nesses momentos podem rolar horas boas e ruins. Por mais que siga ou paralise para ter as melhores condições, alguém vai pegar numa hora mágica e alguém na hora ruim”, argumenta.

O diretor de prova promete empenho total e interação com todos. “Vou ficar na praia mais tempo para observar tudo e tentar, numa ocasião de interrupção da prova, usar consenso com os atletas. Decisões em parceria com representantes dos surfistas, juízes e WSL. Sempre tentar colocar o pessoal na melhor hora.

O Oi Hang Loose Pro Contest será realizado pela 32ª vez, sendo a 14ª edição em Fernando de Noronha, que há sete anos não recebia o evento. Foram 13 disputas seguidas na ilha, de 2000 a 2012. Neste ano, o evento terá status QS 6000 do Circuito Qualifyng Series, da World Surf League (WSL), valendo importantes 6 mil pontos na disputa pelas dez vagas para a elite mundial. Serão US$ 130 mil de premiação, com US$ 25 mil ao vencedor.

Por Fábio Maradei

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.